A maior beleza das aves está na sua liberdade!
Muitas coisas o pássaro diria, se pudesse falar.
E a tua alma, criança, tremeria, vendo tanta aflição.
E a tua mão, tremendo, lhe abriria a porta da prisão...

Sexta-feira, 4 de Julho de 2014
Morreu-me uma andorinha

A pequena andorinha, a esvoaçar no chão,

acariciei um pouco, aconcheguei na mão.

No ninho a coloquei, para que a alimentassem

os pais que ali andavam; gatos não a caçassem.

 

Franzina, insegura, chamava, mal comia.

A irmã, bem maior, com ela competia.

As leis da natureza custam-me a entender.

Lágrimas, rebeldia, uma vida a sofrer.

 

Mais um dia passou. A irmã já voava.

E ela sempre no chão... Num ramo a colocava.

Numa gaiola, à noite, junto aos pais a deixei.

 

Meti-lhe dentro um ninho, e por ela rezei.

Morreu uma andorinha, no céu já não chilreia.

O mundo desilude. A natureza é feia?

 

---------------------

4/07/2014

Laura B. Martins
Soc. Port. Autores nº 20958

 

=============================

 

 

Anotação ao poema Morreu-me uma andorinha

 

Só uma anotação sobre o drama das andorinhas e a realidade dos dramas quotidianos que todos enfrentamos.

Para uns é mais fácil enquanto para outros... é devastador.

 

Sei que muitos não entendem esta dor e comentam que foi «apenas» uma andorinha. Para mim, foi uma pessoa de família.

Elas vivem aqui metade do ano e fazem muita companhia. Adoro o seu chilreio e as suas conversas umas com as outras. 

Reconheço os seus pios. Se a gata anda por ali perto, elas piam forte a chamar por mim para retirar a gata. Assim que a levo, elas calam-se.

 

Este casal de andorinhas, neste ano tiveram uma primeira ninhada de 4 andorinhas mas perderam toda a 2ª ninhada de 3. 

Continuam a vir dormir no mesmo local onde estava o ninho, mas vêm sós. 

A primeira andorinha estava morta no ninho, ainda muito pequenina. Fui eu que a retirei de lá. 

A segunda foi esta desgraça relatada no poema. Fiquei a pensar se ela teria morrido mais depressa por estar aprisionada. Andorinha não é passarinho de gaiola. Mas se a deixasse no ninho, ela vinha para o chão novamente, sem defesa e com o frio da noite, desprotegida. 

Esperava soltá-la no outro dia de manhã cedo. 

A 3ª andorinha da ninhada, já voava mais ou menos mas nessa altura é muito fácil serem caçadas pelos gatos porque se cansam e poisam em qualquer lugar, mesmo no chão e não possuem a ligeireza das adultas. 

Só sei que ela não voltou com os pais para o ninho, anteontem à noite. Eles ficaram lá sozinhos e assim tem sido mesmo durante o dia. Vejo-os por aqui pousados, sempre sós. 

É muito triste!

 

Quando as ninhadas já voam bem, voltam aos ninhos durante um tempo; depois abandonam e vão dormir para outro lado. Aqui, na minha casa, fazem os ninhos e como meto por baixo uma rede e um plástico grande para não sujarem o chão, elas têm sempre espaço de sobra e ficam por aqui até final de Setembro, quando emigram.

 

Gostaria de ter escrito também um poema sobre este assunto mas não fui capaz. Lamento!

--------------------

4/07/2014

Laura B. Martins 


TAGS - temas do blog
(clique em cima):
,

publicado por LauraBM às 01:01
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2013
Libélula dourada - poema

Libelinha, libelinha, com asinha transparente

em tons castanhos dourados, voas tão alegremente...

 

Com elegância tamanha, adejando na paisagem,

libelinha, mais pareces o fruto duma miragem.

 

Pousas tão suavemente, diáfana alegoria...

que o teu pousar nos remete ao reino da fantasia.

 

Etérea, a tua beleza voa, atrai os olhos meus.

És candelária, pureza, um mistério de Deus.

 

Libertas-nos, libelinha, da escuridão num segundo;

mesmo de asas transparentes, filtras o negro do mundo.

--------------------------------

12/01/2014

Laura B. Martins

Soc. Port. Autores nº 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 21:30
link do post | E custa, comentar neste blog? | Veja o que os outros disseram (2)
 O que é?

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012
Falcões peregrinos - poema

(os maiores e melhores predadores aéreos)

 

Vi falcões peregrinos a voar.
Predadores aéreos, que lições.
À natureza os engenheiros vão buscar
tudo que têm usado em aviões.
Desde a visão arguta pesquisada,
às técnicas de ataque dos falcões,
o homem estudou. Mas... porque mata
apenas para testar as aptidões?

O homem, o pior dos predadores!...
Ai, como tudo seria diferente
se a Terra não tivesse tais senhores...
se transmutassem os animais em gente!
Falcões só matam pra sobreviver.
Se, de tais aves, nos dessem o juízo...
e aos homens retirassem o saber...
Talvez o mundo fosse um paraíso!

---------------------------
2/04/2008
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores nº 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 22:32
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Terça-feira, 11 de Outubro de 2011
Gripe das Aves? - Poema

Um ganso selvagem voa sobre o mar,
levado p'la aragem. Vem aqui pousar
no meu Portugal d' Inverno quentinho;
mas, vem o tal ganso, agasalhadinho.

Traz bom cachecol e até um barrete
tricotado à mão. Olha que topete!
Onde já se viu um ganso vaidoso?
Era o que faltava! É ganso garboso!

Quando vi tal coisa, fez-me confusão.
Pois... não é costume ter-se tal visão.
Ora vejam só, se começam todos
os gansos que há, a fazer de tolos(!!!)

Têm as ovelhas, d' hoje prà amanhã,
de mais qualidade produzir a lã.
Tal a quantidade de adornos gansais
a indústria explode. Não será demais?

Para o desemprego, se pensarmos bem,
é a solução que mais nos convém.
Trabalho pra todos... criatividade!
Alimentar, vamos, gansos com vaidade!
-------------------------

17/02/2006
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 23:15
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008
Natal com frio? - Poema

Na casa do passarinho,

o Natal é festejado

com luzes e azevinho;

como em qualquer outro lado.

 

Já neve é facultativo,

porque o clima é quem a manda.

Fica o pássaro cativo

ou foge pra outra banda.

 

Com a fêmea desejada

quer um lar aconchegado,

sem a prole constipada.

 

Busca um clima ensolarado.

Mas deixa a casa enfeitada

porque o Natal é sagrado.

------------------------

23/09/2011

Laura B. Martins
Soc. Port. Autores nº 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):
,

publicado por LauraBM às 22:41
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Terça-feira, 2 de Outubro de 2007
Morte duma ave - Poema

cisnes_2.gifQue importa o seu nome, se é grande ou pequena
Se a ave nos morre… temos tanta pena!
Desde o belo cisne ao mini-pardal,
vai-se um companheiro… faz-nos tanto mal!...

Pode estar lá fora ou dentro de casa.
Quando ela se vai… o choro transvaza.
Belas criaturas de longa plumagem
ou penas curtinhas, levadas p’la aragem.

Um pássaro, apenas um monte de penas
que faz companhia, nos torna serenas
a suavidade do seu deslizar

seja dentro d’água ou a voltear
no azul do céu, sobre uma campina…
Sinónimo d’ave será bailarina?
--------------------------
1/02/2006
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 00:01
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Quinta-feira, 12 de Outubro de 2006
Gripe das Aves? - Poema

(Brincando com coisas sérias para desanuviar a alma!)

ganso_barrete.jpgUm ganso selvagem voa sobre o mar,
levado p'la aragem. Vem aqui pousar
no meu Portugal d' Inverno quentinho;
mas, vem o tal ganso, agasalhadinho.

Traz bom cachecol e até um barrete
tricotado à mão. Olha que topete!
Onde já se viu um ganso vaidoso?
Era o que faltava! É ganso garboso!

Quando vi tal coisa, fez-me confusão.
Pois... não é costume ter-se tal visão.
Ora vejam só, se começam todos
os gansos que há, a fazer de tolos(!!!)

Com mais qualidade produzir a lã
têm, as ovelhas, d' hoje prà amanhã,
Tal a quantidade de adornos gansais
a indústria explode. Não será demais?

Para o desemprego, se pensarmos bem,
é a solução que mais nos convém.
Trabalho pra todos... criatividade!
Alimentar, vamos, gansos com vaidade!
--------------------------
17/02/2006
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 19:31
link do post | E custa, comentar neste blog? | Veja o que os outros disseram (1)
 O que é?

Terça-feira, 10 de Outubro de 2006
Poema - Galo machão!

galo-galinhas-pais.jpg

Lá vai D. Galo! As galinhas, como boas poedeiras,
vão atrás dele; porquanto, sem ele não há maneiras.

É que pôr ovos sem galo pra poder galar o ovo...
não é jogo que se jogue. Só se for um jogo novo!?

E o D. Galo, comandante das lindas frangas branquinhas
passa a ponte empertigado. Mostra como é, às galinhas.

Crista vermelha, imponente, certo ar patriarcal...
numa tábua se equilibra; e... atravessa o canal.

Do riacho não tem medo; a presunção não lhe falta.
Leva com ele o harém... com ares d'ave pernalta.

É um galo-galaró tão machão, prole diversa...
que na panela não cai. E o resto é conversa!
------------------------
6/03/2004
Laura B. Martins
Soc.Port.Autores nº.20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 14:11
link do post | E custa, comentar neste blog? | Veja o que os outros disseram (1)
 O que é?

Quarta-feira, 5 de Outubro de 2005
Aves do meu sítio

passaros_casa.jpgEu não tenho sabiá nesta linda terra minha;
o que tenho é um pintassilgo de manhã, melro à tardinha.
Amarelo-afogueado, a cantar, oiço um canário.
À tarde, encanta-me o melro negro aos saltos, p'lo contrário.

Respingam os verdilhões; fazem tamanho banzé
que eu fico meia tontinha. Daqui nem arredo o pé!
No chorão, a pardalada faz um barulho maluco.
E, talvez pra destoar posso, ao longe, ouvir um cuco.

A monocórdica poupa, incomoda toda a gente;
mas, o arrulhar dos pombos, já me deixa mais contente.
Lá pelas seis da manhã, inda tentando dormir,

oiço um piado mais longo. A quem o atribuir?
No emaranhado dos ramos, tem ave que ninguém viu;
mas, todo o mundo acordou, por causa daquele piiiiiuuuuu...!
-------------------------------
18/09/2005
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 01:40
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Segunda-feira, 3 de Outubro de 2005
Briga doméstica - c/penas

pombo_livrofazer.jpg

Contado, nem se acredita; pois fui só eu que assisti
a uma cena doméstica e do melhor que já vi.

Era um casal desavindo de belos pombos, cinzentos,
no telhado do vizinho. É história sem acrescentos!

Dizia o pombo prà pomba. - Trru-u-u, trru, trru, trru, trru.
Estou farto de procurar-te! Mas onde raio estavas tu?

Deixei o jornal em meio pra dar comer às crianças.
Porque não aparecias fiquei eu nestas andanças!

Tentei, à pressa, aviar-me no quintal aqui da frente;
mas como era muito tarde encontrei lá muita gente.

Já estavam lá as galinhas, os galos e um peru;
pintos, fracas, até patos!... - Mas onde raio estavas tu?

E a pomba, meio enfiada, tapando o bico co’a asa,
disse em voz comprometida: - Vinha voando pra casa (...)
--------------------------------
18/04/2002
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 17:45
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Terça-feira, 12 de Outubro de 2004
Cegonhas, belas aves

cegonhas_ninho.jpgDe há muito desejava dedicar-me
às belas aves, de quem não vêm falar-me,
mas fazem parte da beleza do país.
No dia-a-dia, é apressado o caminhar;
mesmo sem tempo de parar e observar,
falar de vós, cegonhas, sempre quis.

Pilharam-lhes os ninhos muita vez,
e acreditava o povo que vocês
comiam animais de capoeira.
O desconhecimento popular
tentou, tua beleza exterminar.
Agora, pensa-se doutra maneira.

Um monte de pauzinhos, quem não viu
sobre uma chaminé, árvore, fio
de poste eléctrico, e medida avantajada?
Se repararmos, tem cabeças brancas,
longos bicos, pernaltas (como andas),
e uma cegonha-mãe, empertigada.

A imparável marcha do progresso
causou a estas aves retrocesso;
morreram muitas electrocutadas.
Mas há, hoje, nos postes, prateleiras
capazes de assegurar muitas maneiras
de cuidarem da prole descansadas.

Em Portugal, quase extinguiram estas aves,
por desconhecimento e entraves;
mas, felizmente, graças à informação,
telhados já ninguém recusará.
Em árvores e torres temos cá,
de novo, ninhos de cegonha em profusão.

  cegonhas_ninhopeq.jpg
-------------------------
25/03/2003
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 16:23
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

Quarta-feira, 6 de Outubro de 2004
Crimes à portuguesa

galo_Barcelos.jpgFoi hediondo o crime cometido,
apenas por não ter veia d'artista;
quero dizer, daqueles que não vêem
como nós e, então, nos confundem a vista.

Onde é que já se viu, na natureza,
um galo com um coração estampado
no peito, e umas patas desenhadas
num pedestal de barro azul, pintado?

Pontinhos de cor branca, azul, laranja,
contrastam com vermelhos corações
na cauda. Bico e crista é que me lembram
galos normais, de tantas gerações.

Fixei aquela ave de arremedo,
e corpo pontilhado de amarelos.
Com a raiva no auge e um machado,
eu degolei o galo de Barcelos.
--------------------------
25/07/2003
Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958


TAGS - temas do blog
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 16:45
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

R O D A P É

Frase Especial

"Não há crueldade pior que pensar e acreditar que os animais existem para servir o Homem."
--------------------
Gabriela Toledo

Ama a Natureza?

"Então, não compre artesanato que contenha partes de animais.
Se ninguém comprar, os traficantes terão que mudar de atividade e milhões de animais deixarão de ser sacrificados."

Algo mais sobre mim
TAGS - temas do blog
(clique em cima)

00-especial

000-homenagens

01-animais do ar

02-animais do mar

03-animais da terra

04-eles são assim

04-fábulas

05-animais de amigos

06-saúde animal

07-artigos divertidos

08-pense nisto

09-poemas outros

10-crónicas-laura

10-poemas-laura

11-ternuras e piadas

12-datas especiais

12-natal

todas as tags

Meter o nariz no blog...
 
subscrever feeds
Novidades no blog

Morreu-me uma andorinha

Libélula dourada - poema

Falcões peregrinos - poem...

Gripe das Aves? - Poema

Natal com frio? - Poema

Morte duma ave - Poema

Gripe das Aves? - Poema

Poema - Galo machão!

Aves do meu sítio

Briga doméstica - c/penas

Cegonhas, belas aves

Crimes à portuguesa

Antiguidades óptimas
Também gostará de:

10 blogs para conhecer no...

Sua presença basta

Poema - Mais vale guardar...

Links especiais:
Fazer olhinhos