A maior beleza das aves está na sua liberdade!
Muitas coisas o pássaro diria, se pudesse falar.
E a tua alma, criança, tremeria, vendo tanta aflição.
E a tua mão, tremendo, lhe abriria a porta da prisão...
Sexta-feira, 3 de Setembro de 2004
Arapongas - Poema

araponga_fundoazul.jpg No prédio, uma araponga bate ferro,
Reclama a liberdade que antes tinha,
Já que a tristeza dela é como a minha,
Adiro ao seu protesto e os olhos cerro.

Mas essa ave grosseira, se não erro,
Me tem por desafecto e me espezinha.
Perplexo, ouvi seu canto inda agorinha,
Canto estridente, parecia um berro.

- "Não posso voar, sou presa a esta gaiola.
E tu? ... Algum tirano te controla?"
- "Meus grilhões (falei a ela) ninguém vê."

A timpânica voz dessa araponga
Só faz me censurar na noite longa:
- "Que fizeste da vida? O quê? O quê?!"
-----------------------
Solange Rech
Poema premiado no Concurso Nacional de Poesias - Marcas do Tempo VI

 

  A sentinela da mata –- Araponga
arapongas_casal.jpg Casal de arapongas criado em cativeiro - Itajubá, MG: as fêmeas não cantam e, por isso, são menos perseguidas

O canto estridente da araponga, que chega a agredir os ouvidos mais sensíveis, é usado pelo macho para atrair a fêmea; ela escolhe aquele que cantar mais forte.

Na mata, o som estridente da martelada sobre uma bigorna é indicativo de boa qualidade de ambiente.

Esse som, emitido por exemplares machos de uma ave pertencente ao género Procnias e popularmente conhecida como araponga, é forte na época da reprodução, como forma de atrair a fêmea para o acasalamento, e pode ser ouvido há mais de 1 quilometro de distância.
Extremamente selectivas, essas aves se alimentam exclusivamente de frutos silvestres e habitam a copa das mais altas árvores da floresta, também as mais antigas: condições típicas de vegetação primária e diversificada ou de florestas preservadas.
São quatro as espécies desse género descritas até agora. Três delas ocorrem no Brasil: duas na Mata Atlântica e uma na Floresta Amazónica. A outra espécie é encontrada somente no Panamá, na Costa Rica e na Nicarágua, países da América Central, em áreas de florestas.

Mas o mesmo canto que coloca essa ave numa posição de destaque na mata é também a sua desgraça.
Com o desmatamento, o contacto com o homem foi inevitável e não tardou a ser caçada e engaiolada.
Além de não cantarem, as fêmeas não possuem a exuberância da plumagem predominantemente branca dos machos. Suas penas têm tons de verde oliváceo e preto, o que ajuda na sua camuflagem. Por isso, não foram tão caçadas quanto os machos, ao longo dos anos.
-------------------------
09/2004
pesquisa de Internet


TAGS - temas do blog
(clique em cima):
,

publicado por LauraBM às 23:44
link do post | E custa, comentar neste blog?
 O que é?

1 comentário:
De Solange Rech a 18 de Janeiro de 2005 às 05:04
Sou o autor do soneto ARAPONGA, exposto em sua página. Agradeço que tenha citado a autoria, o que mostra a intenção de respeitar direitos autorais. Peço-lhe apenas a fineza de corrigir o último verso, que não tem aquele "O" inicial. O certo é "Que fizeste da vida? O quê? O quê?" Como se encaixa no espírito do seu trabalho, se você tiver interesse, tenho também sonetos premiados sobre canário. Um abraço. Em tempo: sou homem, apesar de meu nome se prestar a alguma confusão.


Comentar post

R O D A P É

Frase Especial

"Não há crueldade pior que pensar e acreditar que os animais existem para servir o Homem."
--------------------
Gabriela Toledo

Ama a Natureza?

"Então, não compre artesanato que contenha partes de animais.
Se ninguém comprar, os traficantes terão que mudar de atividade e milhões de animais deixarão de ser sacrificados."

Algo mais sobre mim
TAGS - temas do blog
(clique em cima)

00-especial

000-homenagens

01-animais do ar

02-animais do mar

03-animais da terra

04-eles são assim

04-fábulas

05-animais de amigos

06-saúde animal

07-artigos divertidos

08-pense nisto

09-poemas outros

10-crónicas-laura

10-poemas-laura

11-ternuras e piadas

12-datas especiais

12-natal

todas as tags

Meter o nariz no blog...
 
subscrever feeds
Novidades no blog

Não volte passarinho

Morreu-me uma andorinha

Uma questão de perspectiv...

Natal - 2013

Apostas e queixinhas

Libélula dourada - poema

Inglês aportuguesado

Tal como eu!...

Abraço de koala

ela (irresistível) e os m...

Aproveitando o banho...

Falcões peregrinos - poem...

Antiguidades óptimas
Também gostará de:

10 blogs para conhecer no...

Sua presença basta

Poema - Mais vale guardar...

Links especiais:
Fazer olhinhos